Bulavet

Milhares de bulas de medicamentos veterinários

KIT AIE

VALLÉE S.A. - PRODUTOS VETERINÁRIOS

Classes
Eqüinos
Registro
7158
Responsável Técnico
Gabriel Andrade Pereira Filho - CRMV: 0510
Princípio(s) Ativo(s)

ANTÍGENOS, KITS DE DETECÇÃO E TESTES

Fórmula

É composto por um frasco com soro padrão que é utilizado como controle positivo para AIE, e um frasco com antígeno recombinante - p26 - que foi produzido através de Engenharia Genética e submetido a etapas de purificação, eliminando-se a ocorrência de linhas de precipitação inespecíficas.

Indicações

É UM TESTE DE IMUNODIFUSÃO PARA DETECÇÃO DE ANTICORPOS NO SORO DE EQUINOS CONTRA O VÍRUS DA ANEMIA INFECCIOSA EQUINA (AIE)

O antígeno recombinante (proteína p26) do vírus da Anemia Infecciosa Equina (AIE) deve ser utilizado no teste de Imunodifusão em ágar-gel (AGID) para a pesquisa de anticorpos contra o vírus no soro de equideos.

TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO: A avançada tecnologia de produção do antígeno desenvolvido por engenharia genética, consistiu no isolamento do material genético do vírus responsável pela expressão da proteína chave para o diagnóstico da doença (p26). Este material genético isolado foi inserido em uma bactéria, que atuou como uma carreadora do gene e que passou a produzir grandes quantidades somente dessa proteína p26 do vírus da AIE. Esta proteína produzida foi submetida a etapas de purificação resultando em um produto de altíssima qualidade, eliminando-se totalmente a ocorrência de linhas de procipitação inespecíficas.

O teste se baseia na migração dos antígenos e anticorpos em gel de ágar em direções opostas resultando na formação de linhas de precipitação visíveis. Cavalos infectados mesmo com vírus de diferentes linhagens possuem anticorpos precipitantes contra o maior antígeno grupo-específico, a proteína p26.

Dosagem

Como se trata de um teste diagnóstico, não há uma dosagem que deve ser fornecida ao animal. Assim, segue abaixo algumas instruções para a coleta das amostras para o teste:

Os soros coletados devem ser enviados o mais breve possível para o laboratório de diagnóstico, acondicionado em gelo. As amostras devem ser rigorosamente identificadas.

Os soros equinos a serem testados devem ser armazenados a uma temperatura de 2°C a 8°C por um prazo de até 5 dias. Armazenamento mais longo deve ser feito a - 20°C

Administração

PROCEDIMENTO DO ENSAIO

Preparação das lâminas

1.Preparo da solução tampão :

Hidróxido de sódio (NaOH) ---- 2g

Ácido Bórico (H3BO3) -----------9g

Água destilada q.s.p--------------1L

Ajustar o pH para 8,5 a 8,7.

  1. Preparo da solução de ágar Noble a 1% no tampão:

Processe a solução em forno de microondas por um período de 3 minutos a intervalos de 30 segundos (ou até o ágar dissolver), ou ferva a suspensão para dissolver o ágar e processe na autoclave por 7 minutos.

  1. Coloque 4,5mL do ágar líquido em uma lâmina de 25mmx 75mm. As lâminas devem ser resfriadas por 1 hora em geladeira (2 a 8°C). Se não cortadas, podem ser armazenadas por até 1 (uma ) semana.

  2. Corte as cavidades enquanto o ágar estiver frio e logo antes de serem usadas. As cavidades devem ter 4mm de diâmetro e distantes 3mm. Devem ser feitas 7 cavidades (1 central rodeada por 6 outras).

  3. Remover os tampões da cavidade do ágar e deixar a tampa entreaberta por 30 minutos antes de serem usados. Alguma unidade que permaneça nas cavidades será aspirada ou sairá por evaporação.

  4. Os soros a serem examinados devem ser colocados nas 3 cavidades alternativas externas com auxílio de uma pipeta Pasteur ou micropipeta. Deve- se usar uma pipeta para cada soro suspeito (25 microlitros de cada soro). Colocar 25 microlitros do antígeno recombinante na cavidade central. O soro padrão deve ser colocado em cavidades alternadas, ao lado dos que contém os soros suspeitos, na quantidade de 25 microlitros por soro.

  5. Incube as lâminas por 48 a 72 horas em temperatura ambiente em câmara úmida (caixa com algodão umidecido) antes de realizar a leitura, para impedir que o ágar resseque.

LEITURA

A primeira linha de precipitação que deve ser observada é aquela formada entre os poços contendo o soro padrão e o antígeno. A ocorrência desta linha de precipitação é imprescindível para a leitura da prova. Se a linha nào é nítida, o teste deve ser repetido e nào se faz a leitura dos soros suspeitos, uma vez que o padrão positivo não apresentou reação.

RESULTADOS

Uma vez constatada a linha de precipitação entre os poços contendo o antígeno e o soro padrão , deve-se proceder à leitura dos soros testes.

Observar as seguintes características das reações:

Reação Negativa:

  • não ocorre linha de precipitação entre os poços contendo o antígeno e o soro teste.
  • as linhas de precipitação entre os poços contendo o antígeno e o soro padrão são retas, e prolongam-se até a cavidade contendo o soro teste sem encurvar-se.
    Reação Positiva:

  • ocorre uma linha de precipitação entre os poços contendo o antígeno e o soro teste, e esta linha é contínua com a linha formada entre o antígeno e o soro padrão.
    Reação Positiva Fraca:

  • as linhas de precipitação entre os poços contendo o antígeno e o soro padrão encurvam-se em direção ao poço contendo o soro teste

  • ocorre ou não a formação de uma linha muito fraca entre os poços contendo o antígeno e o soro teste.
    INTERPRETAÇÃO:

a. Qualquer cavalo adulto que reaja à prova de imunodifusão pode ser considerado infectado pelo vírus AIE.

b. Um soro recolhido durante o período de incubação da AIE poderá fornecer um resultado fraco positivo. A retestagem após 2 ou 3 semanas produzirá uma reação mais forte.

c. Soros de potros que mamam em éguas infectadas podem fornecer resultados positivos ou fraco positivos, devido aos anticorpos presentes no colostro. Neste caso, deve-se fazer o reteste após 6 meses. Se o resultado do reteste for negativo o potro não está infectado.

d. Portadores inaparentes que não têm sinais clínicos de AIE por longos períodos de tempo, podem ter reações fracas. Nestes casos, retestando, raramente resulta numa mudança na intensidade da reação.

Precauções
  1. Conservar o produto entre 2°C e 8°C. Se após aberto, não for utilizar o produto em 15 dias, dividir os reagentes em alíquotas e congelar a -20°C. Não deixar o produto em temperatura ambiente por períodos prolongados.

  2. Tratar todos os reagentes e amostras como capazes de transmitir o vírus AIE. Esterilizar todo o material utilizado após realizar o teste.

  3. Não utilizar reagentes com data já vencida.

  4. Se os controles positivos do kit não apresentarem reação, não use o kit.

  5. Como em qualquer trabalho laboratorial, recomenda-se o uso de luvas durante a manipulação dos reagentes e durante todo o teste.

  6. Incinerar todos os frascos e conteúdos desprezados.

  7. Autoclavar todo o material do teste após o uso.

Apresentação

FORMA DE APRESENTAÇÃO

Reagentes para 240 testes:

KIT contendo um frasco com 2mL de antígeno recombinante (p26) pronto para uso e um frasco com 6 mL de soro controle positivo para AIE.

e/ou

KIT contendo cinco frascos com 0,4mL de antígeno recombinante (p26) pronto para uso e cinco frascos com 1,2 mL de soro controle positivo para AIE.

Classe Terapêutica

DIAGNÔSTICOS

SAC
0800 8825 533